Sexta Turma mantém dispensa de trabalhadora que trocou agressões com colega

Sexta Turma mantém dispensa de trabalhadora que trocou agressões com colega
24 Jun 09:25 2015 Amanda Imprima este artigo

A Constituição Federal protege a gestante e a parturiente da dispensa arbitrária ou imotivada, mas não garante o vínculo de emprego quando há violência no ambiente de trabalho, em conduta incompatível com os deveres contratuais. Com este entendimento, a Sexta Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná manteve a demissão por justa causa aplicada pela Indústria de Compensados Sudati Ltda, de Palmas, na Região Sul do Estado, a uma auxiliar de produção que se envolveu em briga com uma colega no banheiro da empresa. O fato aconteceu em março de 2014, quarenta e cinco dias após a contratação da auxiliar. A outra funcionária envolvida na briga também foi demitida.Alegando que agiu em legítima defesa, a trabalhadora acionou a Justiça do Trabalho pedindo a reversão da justa causa e o pagamento de indenização por danos morais e em substituição ao período da estabilidade provisória decorrente de sua gravidez. Ela alegou, ainda, que o fato da punição não ter sido aplicada de forma imediata, mas três dias após a briga, configura o perdão tácito por parte da empresa.

Para os desembargadores da Sexta Turma, a auxiliar de produção não conseguiu provar que tivesse apenas se defendido. Após análise dos depoimentos das testemunhas, a conclusão foi de que as colegas se agrediram mutuamente, não ficando claro quem teve a iniciativa. Tal situação, no entender dos magistrados, já justificaria a demissão por justa causa: "A violência no ambiente de trabalho, independentemente de quem tenha iniciado a briga, ou das razões que a ela conduziram, revela conduta incompatível com os deveres contratuais, inclusive o da boa-fé objetiva", concluíram.

A tese do perdão tácito também foi afastada pela Turma que ponderou que três dias é um prazo "até mesmo curto para que a empresa pudesse averiguar os fatos".Segundo a decisão, a validação da justa causa afasta também o direito à estabilidade gestacional. "A Constituição Federal protege a gestante e a parturiente da dispensa arbitrária ou imotivada, não sendo este o caso dos autos" pontuou a relatora do acórdão, desembargadora Sueli Gil El Rafihi.

O Colegiado ponderou ainda que a gravidade da falta cometida torna irrelevante o fato da trabalhadora não ter sofrido nenhuma punição anteriormente: "A medida punitiva mostra-se absolutamente adequada, posto que proporcional à falta cometida, grave sem dúvida, envolvendo agressão física a colega de trabalho, sendo absolutamente inexigível, nessa situação, gradação de penalidades".
Com base nesses argumentos, a Turma manteve a decisão proferida pelo juiz José Vinicius de Sousa Rocha, da Vara do Trabalho de Palmas.

Da decisão cabe recurso.
Fonte:Assessoria de Comunicação do TRT-PR
ascom@trt9.jus.br

em Notícias
Comente

0 Comentarios

Comente

Seus dados estão seguros
Seu endereço de e-mail nunca será publicado, nenhum dado seu será compartilhado.
Todos os campos são obrigatórios.

Últimos Correspondentes

Diana De Marchi

Advogado de Apoio

BARRACÃO(PR) e mais 4 cidades

Solicite uma Diligência

Nathalia Monteiro

Advogado de Apoio

GARANHUNS(PE) e mais 4 cidades

Solicite uma Diligência

Francisco Demetrius Pinheiro De Oliveira

Advogado de Apoio

MANAUS(AM) e mais 15 cidades

Solicite uma Diligência

Socialize-se

Relacionados

Estabilidade da gestante é garantida para trabalhadora que perdeu bebê

Uma trabalhadora de Curitiba teve reconhecido o direito à estabilidade no emprego para gestante, mesmo tendo perdido o bebê no oitavo mês de gravidez. A decisão é da 7ª Turma ...

Makro é condenado por demitir empregado que tinha estabilidade por ser membro da CIPA

A Justiça do Trabalho reconheceu como arbitrária a dispensa de um empregado que tinha o direito de garantia do emprego por ser membro suplente da Comissão Interna de Prevenção de ...

TRT condena empregada doméstica a indenizar patroa por danos morais

Uma empregada doméstica de Porto Alegre deixou de comparecer ao trabalho em diversos momentos do contrato sob a justificativa de estar com problemas de saúde. Um mês e meio antes ...

Turma reduz indenização a enfermeira demitida por interromper atendimento por risco de contaminação

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reduziu de R$ 100 mil para R$ 60 mil a indenização a ex-enfermeira da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do ...

Chamada de "garota de programa", garçonete deverá ser indenizada

O Restaurante Trieste do bairro de Santa Felicidade, em Curitiba, deverá indenizar uma funcionária em R$ 5.000,00 pela conduta da gerente do estabelecimento, que a chamava de "garota de programa" ...

Universojus é um site que busca informar no meio jurídico,
político e social o que há de mais atual
no espaço do direito em sociedade.

UniversoJus.com.br

Copyright © 2018 UniversoJus. All Rights Reserved.