Faixas sem construção à margem de rodovias e ferrovias poderão ser reduzidas

11 Jul 07:16 2019 UniversoJus Imprima este artigo

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (10) o projeto de lei que autoriza permissão municipal para construção de edificações a menos de 15 metros de rodovias e ferrovias. O PL 693/2019 havia sido aprovado pela manhã na Comissão de Meio Ambiente (CMA) e agora segue para a Câmara dos Deputados.

A proposta, do senador Jorginho Mello (PL-SC), modifica a Lei 6.766, de 1979, que regula o parcelamento do solo urbano. Atualmente, a distância mínima para as construções é de 15 metros. De acordo com o texto aprovado, os municípios poderão aprovar em seus planos diretores a redução desse limite até cinco metros.

A nova regra não afetará edificações construídas até julho de 2018 às margens de rodovias e ferrovias que atravessem perímetros urbanos. Essas áreas serão dispensadas da exigência de reserva da faixa não edificável. Além disso, o projeto inclui na lei a reserva de faixa não edificável de pelo menos 15 metros às margens de rios, lagos, lagoas e açudes.

O projeto foi aprovado na forma de substitutivo do relator, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). De acordo com ele, existem milhares de residências e estabelecimentos comerciais construídos em área não edificável, especialmente em zonas urbanas, o que dificulta a gestão do uso do solo pela administração pública e a regularização fundiária. No texto original, a redução da faixa não edificável de rodovias e ferrovias não estava condicionada aos planos diretores municipais.

— Sugerimos uma alternativa que reconheça a existência do problema, regularizando a situação das construções já existentes e abrindo o caminho para que os municípios, no âmbito da discussão dos respectivos planos diretores, possam avaliar o tamanho ideal da faixa não edificável — explicou Randolfe.

O texto foi analisado em conjunto com o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 26/2018, que tratava do mesmo tema e foi considerado prejudicado pelo relator.

Alterações

No Plenário, a proposta sofreu outras mudanças. Uma delas, acatada no substitutivo pelo relator, alterou a redação para incluir o Distrito Federal na parte que trata dos planos diretores municipais.

A outra modificação, votada em separado e aprovada pelo Plenário, foi proposta pelo MDB. A intenção era retirar do texto o trecho “salvo exigências mais rígidas previstas em legislação específica”, na parte que trata do limite de 15 metros de faixa não edificável ao longo das águas correntes e dormentes. Essas exigências estão previstas no Código Florestal, que traz limites de até 500 metros, dependendo da largura do curso de água.

Segundo o senador Eduardo Braga (MDB-AM), não há bom senso nessa vedação, especialmente no caso de estados em que muitas cidades são ribeirinhas, como no Amazonas.

— Gerou-se um obstáculo que inibiu a construção civil e a geração de emprego e renda em inúmeras cidades brasileiras e em muitos estados brasileiros — disse.

A mudança foi apoiada pelo senador Omar Aziz (PSD-AM). Ele argumentou que em muitas cidades da Amazônia não há outra forma de construir cidades a não ser à beira de rios e igarapés. Para ele, aprovar o destaque foi uma forma de resolver o problema de muitas famílias que vivem à beira dos rios e sobrevivem deles.

Fonte: Agencia Senado

em Notícias
Comente

0 Comentarios

Comente

Seus dados estão seguros
Seu endereço de e-mail nunca será publicado, nenhum dado seu será compartilhado.
Todos os campos são obrigatórios.

Últimos Correspondentes

Helica Kamila Mota Canabrava

Advogado de Apoio

MONTES CLAROS(MG) e mais 3 cidades

Solicite uma Diligência

Taise Alves

Advogado de Apoio

CENTRAL(BA) e mais 10 cidades

Solicite uma Diligência

Valquiria Conceição De Jesus

Advogado de Apoio

MUCURI(BA) e mais 4 cidades

Solicite uma Diligência

Socialize-se

Relacionados

Universojus é um site que busca informar no meio jurídico,
político e social o que há de mais atual
no espaço do direito em sociedade.

UniversoJus.com.br

Copyright © 2018 UniversoJus. All Rights Reserved.