Perda e Suspensão dos Direitos Políticos

05 Jul 14:20 2010 universojus Imprima este artigo
É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda (privação definitiva)

ou suspensão (privação temporária) se dará nos casos de:

a) Cancelamento da naturalização por sentença transitada em julgado

Somente os nacionais (natos ou naturalizados) e os portugueses com residência permanente no Brasil (preenchido o requisito da reciprocidade) podem alistar-se como eleitores e candidatos.

O cancelamento da naturalização é hipótese de perda dos direitos

políticos, e a Lei n. 818/49 prevê sua incidência em caso de atividades nocivas ao interesse nacional.

b) Recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação alternativa

A recusa de cumprir obrigações a todos imposta ou prestação alternativa,

nos termos do art. 5.º, VII, da CF/88, implica a perda dos direitos políticos, pois não há hipótese de restabelecimento automático. A Lei n. 8.239/91 incluiu a hipótese como sendo de suspensão dos direitos políticos, pois a qualquer tempo o interessado pode cumprir as obrigações devidas e regularizar a sua situação, posição defendida também por Joel José Cândido.

c) Incapacidade civil absoluta

São as hipóteses previstas na lei civil, em especial no art. 5.º do CC, e

supervenientes à aquisição dos direitos políticos. Desde a CF de 1946, a

incapacidade civil absoluta está incluída como causa de suspensão dos direitos políticos.

d) Condenação criminal transitada em julgado

A condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus

efeitos, é causa de suspensão dos direitos políticos.

Nos termos do § 2.º do art. 71 do Código Eleitoral, a autoridade que

impuser a um cidadão maior de dezoito anos a privação dos direitos políticos providenciará para que o fato seja comunicado ao Juiz eleitoral competente ou ao TRE da circunscrição em que residir o réu. Observado o art. 51 da Resolução TSE n. 20.132/98, o Juiz eleitoral tomará as providências necessárias para a inclusão dos dados nos cadastros eleitorais.

Cumprida ou extinta a pena, em regra, cessa a suspensão, independentemente de reabilitação ou da reparação dos danos (Súmula n. 9 do TSE). O interessado precisa tão-somente comprovar a cessação do

impedimento, nos termos do art. 52 da Resolução TSE n. 20.132/98.

Quanto aos direitos políticos passivos (elegibilidade), há que se observar

que os condenados criminalmente, com sentença transitada em julgado, pela prática de crimes contra a economia popular, a fé pública, a administração pública, o patrimônio público, o mercado financeiro, por crimes eleitorais e por tráfico de entorpecentes permanecerão inelegíveis por três anos, após o cumprimento da pena (alínea “e” do inc. I do art. 1.º da LC n. 64/90).

Para o TSE e para o STF (RExt n. 179.502-6/SP), a suspensão dos

direitos políticos ocorre em decorrência de crime doloso, culposo ou

contravenção.

O TRE/SP já decidiu que a norma é auto-aplicável e que os direitos

políticos permanecem suspensos durante o cumprimento do sursis(suspensão condicional da pena) e de outros benefícios posteriores à sentença condenatória definitiva (art. 80 do CP). Aquele que, enquanto estava sendo processado, elegeu-se, poderá perder o mandato caso seja definitivamente condenado por crime doloso.

Caso seja verificada a absolvição imprópria (sentença que impõe medida

de segurança nos termos do art. 97 do CP e art. 386, V, do CPP), deve ser

aplicada a suspensão dos direitos, pois a medida tem por pressuposto um fato típico e antijurídico.

Na hipótese de condenação criminal de Deputado ou Senador, a perda do

mandato decorrente de condenação criminal dependerá de manifestação da

casa legislativa respectiva (§ 2.º do art. 55 da CF/88). A inelegibilidade,

porém, é imediata.

e) Improbidade administrativa (art. 15, V, da CF)

A improbidade administrativa, prevista no art. 37, § 4.º, da CF, é uma

imoralidade caracterizada pelo uso indevido da Administração Pública em

benefício do autor da improbidade ou de terceiros, não dependendo da

produção de danos ao patrimônio público material. Seu reconhecimento gera a suspensão dos direitos políticos do ímprobo.

A Lei de Improbidade Administrativa (Lei n. 8.429/92) dita que, além

das sanções penais, civis e administrativas, o responsável pela improbidade

fica sujeito à perda dos bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio,

reparação dos danos, perda da função pública e suspensão dos direitos

políticos de três a dez anos, de acordo com o tipo do ato praticado (v. Boletim IBCCrim 54, de abril de 1997).

f) Condenação por crime de responsabilidade

A condenação por crime de responsabilidade, tipo que será ao do Poder Executivo, pode resultar na inelegibilidade do condenado

por até oito anos, mas não afeta o direito de votar, o jus suffraggi.
em Resumos
Comente

0 Comentarios

    Comente

    Seus dados estão seguros
    Seu endereço de e-mail nunca será publicado, nenhum dado seu será compartilhado.
    Todos os campos são obrigatórios.

    Socialize-se

    Últimos Comentários

    Marciel

    comentou: 23 de Junho de 2015 às 12:05

    Se o marido constituiu uma segunda família e se a amante era sua dependente, ela tem todo direito, assim como a primeira esposa tem. O erro foi do marido em querer uma filial, não da segunda mulher. A chifruda da esposa que se separe antes do cafajeste morrer, ou se aceitou a vida inteira, que aceite dividir também os bens. Nada mais justo.

    Ver comentário

    Marcio

    comentou: 23 de Junho de 2015 às 12:04

    Cada imbecilidade que vem do judiciário que chega a ser cômico.

    Ver comentário

    Simone Marchesi

    comentou: 7 de Dezembro de 2012 às 16:58

    Senhores, A morosidade com que estão tratando, para a aprovação desta lei é absurda! Só quem passa pelas humilhações de ter convulsões em público, com pessoas se afastando e quando nos levantamos estamos machucados e sujos ( urinados) pois perdemos completamente o controle de nossas funções! Somos atropelados na rua, corremos risco de morte e por muitas vezes até podemos prejudicar a vida de um motorista que não sabe porque "aquela mulher entrou na frente do carro", eu digo, ela estava inconsciente! Por vezes nos chamam até de loucos, bêbados, drogados! Drogados, talvez já que usamos as DAE (drogas anti epiléticas) . Peço, pensem com certeza os senhores conhecem alguém que sofre desse mal, mas, acredito também que este conhecido tenha condições financeiras de arcar com remédios de alto custo que mitas vezes nos são receitados.

    Ver comentário

    Marieta Wenceslau da Silva

    comentou: 4 de Dezembro de 2012 às 12:24

    Tenho um carro financiado pelo Banco Itaú, Comprei na cidade de Franca SP, Onde tenho residencia fixa, fui passar uns meses na casa do meu filho em São José dos Campos, SP. Recebi uma cobrança do B.Itaú, via telefone fixo na casa do meu filho, dizendo que eu estava atrasada 11 dias a prestação do carro, e quando eu ia pagar e dizia que estava sendo gravada a ligação. o numero do telefone nunca foi passado para eles eu só passei este numero para uma agencia de emprego, o telefone esta no nome de uma terceira pessoa sem nem uma ligação com a família. sera que ouve vazamento de informação?, esta correta a maneira que recebi esta cobrança?

    Ver comentário
    UniversoJus

    Universojus é um site que busca informar no meio jurídico,
    político e social o que há de mais atual
    no espaço do direito em sociedade.

    UniversoJus.com.br

    Copyright © 2015 UniversoJus. All Rights Reserved.